Fardos nos alimentam

Natalia Drepina
é o desconhecido
que nos habita e
a cada amanhecer
nos espanca
.
o peso das vísceras
a humilhação dos poros
o júbilo dos corpos
.]
[todos]
os fardos nos alimentam
[todos]
os fados nos justificam
.
é preciso talvez
amar o tempo sem
indagar os estágios
vários das infelicidades.
A %d blogueros les gusta esto: